domingo, 14 de abril de 2019

A plataforma de Marketplace Mercado Livre

Dando sequência nos artigos relacionados ao ecommerce, nos próximos pretendo apresentar e debater um pouco sobre as plataformas de marketplaces que tem um maior volume de vendas.

Uma das plataformas mais simples e de maneira mais rápida para o empreendedor que está iniciando suas vendas por seus produtos para vender, é o Mercado Livre.


Entrada do escritório do Mercado Livre em São Paulo. 

Eles iniciaram suas atividades no Brasil logo depois de serem lançados na Argentina no ano de 1999 com o nome MercadoLibre, perceberam a oportunidade que existia na oferta de uma plataforma que conectasse o comprador e o vendedor do comércio eletrônico, segundo o portal Statista.com o Mercado Livre é número um em visitas da América Latina.

Por muito tempo ficou conhecido como um local para compra e venda de produto usado ou de leilão, no entanto o mercado mudou e com a vinda de lojas oficiais o publico percebeu que poderia confiar nas compras de valor agregado maior. Atualmente concorre diretamente com B2W, Magalu e outros.

Ao longo dos anos foram ajustando a segurança de quem compra pelo site, e hoje oferece uma garantia ao comprador, de reembolso imediato no caso de qualquer problema na compra de um produto.
Aqui é o escritório do Mercado Livre, eles chamam de melicidade. 


Para começar a vender é necessário se cadastrar no site e preencher algumas informações, depois inserir as informações do produto, assim como foto e descrição técnica, por fim, escolher uma das opções de publicidade e com isso já terá seu produto publicado no Mercado Livre, mas muito se engana se pensarmos que com isso iremos ter vendas, como toda a internet, ninguém encontrará seu produto se não houver um bom trabalho de marketing digital:

Fotos
O principal da foto para os marketplaces é ter fundo branco, não ter marca d´água, não ter logo da empresa e possuir algumas fotos com vários ângulos diferentes, se tiver acessório que acompanhe o produto é importante tirar foto também.

Título do produto
No Mercado Livre é permitido utilizar 60 caracteres, distribuindo em nome do produto característica, fabricante. É interessante seguir este critério, pois encontramos muitas vezes anúncios de produtos que não possuem estas informações e daí fica difícil de entender o que estão vendendo.

Descrição
Neste campo é prescindível detalhar todas informações do produto ou serviço que está sendo oferecido, aprovações, registros nos órgãos ANVISA, INMETRO e outros, e por fim as dimensões da embalagem e peso, prazo de entrega também pode ser incluído aqui para produtos que não tenham em pronta entrega.

Preço competitivo
Segundo uma pesquisa da Magalu o preço não é o fator determinante na escolha de uma compra, em primeiro lugar é a confiança na marca, depois o prazo de entrega e em terceiro lugar o preço, e certamente faz uma grande diferença, pois, não adianta ter um anuncio perfeito e um preço absurdamente maior que os concorrentes, por outro lado, o negócio todo tem que dar lucro, sendo assim é fundamental buscar um preço competitivo para ambas as partes.


Produto com um mercado
Ao iniciarmos uma venda na internet, podemos estar apenas oferecendo um produto que ninguém quer comprar online, o mercado digital está em amplo crescimento, mas é ideal iniciar a venda de produtos que tenham demanda. Para isto uma pesquisa de mercado pode ajudar bastante, pesquise, busque informações de concorrentes, observe se há venda do seu produto ou de um similar. Eu já tive situação que anunciamos uma linha de produto e nunca vendeu nenhum, para resolver esta situação o que fizemos foi buscar outros produtos de segmento distinto para ampliar nosso portfólio de itens anunciados.


Existem outros fatores que discutiremos nos próximos artigos que são pontos importantes para todos os marketplaces, de maneira que aproveitemos a oportunidade de mercado, visto que no Brasil apenas 5% do varejo é em ecommerce, enquanto que na China é 20%, veja a oportunidade que temos, ainda mais levando em conta um crescimento de 16% nos últimos anos segundo a ABCOM.


A economia está estagnada e tem tudo para melhorar nos próximos meses, então imagine no ecommerce quando tiver esta melhora do cenário econômico.


Um abraço e vamos que vamos pra cima.

Que Deus nos abençoe.

Nivaldo J Silva, diretor do CIESP de Santa Bárbara d´Oeste,
diretor do e-Commerce www.LuGuicommerce.com.br
Blog: EmpreenderEsuperar.blogspot.com.br

sábado, 16 de março de 2019

Momento econômico - março 2019




Resolvi colocar no título deste artigo o mês de março, por conta de termos mudanças no cenário econômico a todo momento, estamos passando por algumas incertezas políticas, e com isso o tão esperado desenvolvimento econômico e a retomada da economia não surgem.


Não temos visto na mídia de uma maneira geral uma discussão sobre como colocar o Brasil no trilho, só vemos debates sobre os twitters do presidente, sobre a escola de samba campeã, sobre outras tragédias que não param de surgir, mas precisamos também analisar o cenário e trabalhar para reduzir a tragédia de 14 milhões de brasileiros que estão desempregados, sem dinheiro para manter suas contas pagas. Em uma palestra recente, disseram que 60% das empresas brasileiras possuem débitos por conta da forte crise que passamos nos últimos anos. Já se passaram 2 presidentes durante este momento, Dilma e Temer, e agora o Jair Bolsonaro tem a missão de alinhar a retomada, sendo assim precisamos crer que agora vai.



Na última semana participei de uma palestra com o Vice Presidente do CIESP, Sr José Roriz, vou relatar abaixo alguns trechos debatidos no evento, cada parágrafo merece nossa atenção e leva a uma boa reflexão.



  • O Brasil é visto no mundo todo como um potencial no agronegócio e teremos grandes investimentos nesta área, claro que alguns investidores estão aguardando melhorar o cenário político e ver se o governo tem uma boa convivência com o congresso, tendo como teste a aprovação da reforma previdenciária.
  • Alguns setores são alavancadores de empregos, óleo e gás, aviação com a Embraer, indústrias farmacêuticas, e obras em infraestrutura.
  • Precisamos trabalhar para agregar valor nos produtos exportados, não podemos só exportar soja sem nenhum beneficiamento. Claro que leva tempo, mas se não iniciarmos agora, nunca teremos uma exportação com valor agregado alto, seremos sempre campeões em commodities. 
  • O Brasil possui 1,25% de participação na exportação mundial e há espaço para termos 3,2% ou seja é um boa oportunidade.
  • A projeção da demanda de energia elétrica eólica é muito boa, e com isso empresas da nossa cidade podem ser beneficiadas por esse aumento nos projetos, gerando mais empregos para nossa região. 
  • O envelhecimento da população é uma grande oportunidade para as industrias de produtos farmacêuticos, telemedicina, e também o turismo.

  • Estamos discutindo muito sobre Industria 4.0, mas é importante entender que a indústria de manufatura continuará a existir, não teremos uma impressora 3D que produzirá um sapato, uma turbina de avião, uma máquina agrícola, a tecnologia está a nosso favor para aumentar a produtividade e aumentará o emprego na indústria, não podemos deixar de lado nossos processos produtivos e acreditar que tudo será resolvido pelos aplicativos.



  • A expectativa era de termos um crescimento do PIB próximo de 2,6%, mas nas últimas semanas, a projeção foi para baixo, tanto que alguns economistas estão falando em crescimento próximo de 1,5%. Faz todo o sentido, pois, esperávamos medidas macroeconômicas já no primeiro mês, não aconteceu, depois em fevereiro, também não e agora já estamos no meio de março e ainda algumas empresas estão patinando para iniciar o ano.


A falta de credito dos empresários dificultam os investimentos, os bancos são concentrados em 5 grandes, as taxas de juros deles são absurdas, se ficar devendo em um banco os outros já sabem na hora e cortam seu credito, mas quando você paga tudo em dia em um banco, o outro banco não te oferece taxas oportunas, essa questão poderia ser resolvida através do cadastro positivo e na abertura de novos bancos, não ficando na mão de poucos, mas isto já é assunto para outro artigo.




Esses temas discutidos aqui estão no estudo que foi entregue a equipe do presidente e fazem parte da pauta apresentada aos principais ministros, claro que foram discutidos outros temas não relacionados aqui neste artigo, e podem ser acessados no link Fiesp.

Nós do CIESP Santa Bárbara procuramos trazer para o município este debate e através das reuniões mensais, reuniões do NJE, do grupo de RH, do grupo de COMEX, entendemos a situação das nossas empresas de médio e pequeno porte e levamos para São Paulo estas informações. Ficamos a disposição para conversamos mais a respeito. 

Um abraço e vamos que vamos pra cima com nossos negócios.
#boravender


Que Deus nos abençoe. 

Nivaldo J Silva, diretor do CIESP de Santa Bárbara d´Oeste, 

diretor do e-Commerce www.LuGuicommerce.com.br

sábado, 26 de janeiro de 2019

A Bolha



Ultimamente participei de vários workshops e palestras voltadas para marketing digital e ecommerce, a princípio não percebi que estava entrando na bolha do online, mas veja que interessante.

Funciona assim, você participa de um evento, logo seu e-mail fica cadastrado na lista de e-mails dos organizadores e parceiros, em alguns casos no mesmo dia já começa a receber e-mail e mensagens sobre o assunto.  No Instagram por exemplo, você segue uma pessoa e ela menciona outra referência em determinado assunto e pronto, você já estará seguindo mais um influenciador e terá mais Stories para ver, e mais arrasta pra cima e alguns citam outros influenciadores, algo que se deixarmos não tem fim.

Não vejo problema nisso, a única questão é que devemos nos planejar bem para não ficar em um circulo vicioso de seguir, seguir e seguir um assunto e influenciadores e não executar. Gosto muito do Thiago Concer, um dos maiores palestrantes de vendas do Brasil, em um treinamento que participei ele finalizou com um exercício onde escrevemos o que faríamos logo na segunda feira. Isto para não correr o risco de ficarmos apenas empolgados e não colocarmos em prática o que ouvimos.

Voltando na questão da bolha, é comum ouvirmos pessoas que seguem uma nutricionista, outro uma personalidade, outra por estar grávida segue tudo que tiver relação sobre gestação, parto e decoração para o quarto do bebê que está para chegar. É um efeito de grupos que pensam parecido e sempre discutem os mesmos assuntos.

Nos negócios é importante dividirmos um pouco esta imersão dos assuntos, como empreendedor não podemos esquecer dos departamentos de uma empresa, não pode ser tudo marketing, nem tudo vendas, e como ficaria o financeiro? como fica a gestão de equipe? Principalmente pela questão do empreendedor ter geralmente uma equipe enxuta, isto para não dizer pequena, com apenas um sócio em muitas vezes, o que já complementaria a abrangência dos negócios.

É importante para o inicio do negócio a empresa encontrar seu foco do que é excelente, do que conhece mais e com isso encontrar esta bolha de especialistas e aproveitar todo conhecimento e discussão que existe na internet, no Instagram, no YouTube e outros meios das redes sociais. Também é estrategicamente vital estar atento ao que está ocorrendo em outros mercados, e para isso, gosto muito de sugerir a visita nas feiras, em São Paulo tem feira toda semana de segmentos distintos, nestes eventos com toda certeza encontraremos oportunidades, sairemos com novas ideias, trocaremos cartões com outros profissionais do mercado e quem sabe podendo gerar negócio.

Novamente ao participar de novas feiras, receberá novas mensagens dos organizadores e parceiros, mas não tem nada de mal nisto, nós é que devemos selecionar o que iremos seguir. Claro que a tecnologia dos aplicativos utilizam algoritmos que detectam nossos movimentos, nossos hábitos e sugerem notícias, matérias, e através do Google Ads por exemplo seremos bombardeados de anúncios relacionados ao assunto que mais acessarmos. É importante vivermos uma versão mais balanceada do que é sugerido para nós na internet.

Com toda certeza muitos novos influenciadores me ajudaram indiretamente a obter mais conhecimento sobre áreas que eu nunca teria acesso, livros que nunca compraria, e palestras que também não assistiria antes de aceitar suas sugestões. Este é um assunto bem longo e voltaremos a discutir um pouco mais em outro artigo.

Um abraço e vamos que vamos pra cima.

Que Deus nos abençoe.

Nivaldo J Silva, diretor do CIESP de Santa Bárbara d´Oeste,
diretor do e-Commerce www.LuGuicommerce.com.br
Blog: EmpreenderEsuperar.blogspot.com.br

quarta-feira, 9 de janeiro de 2019

Caro Ano Novo



O ano de 2018 passou voando, logico que na verdade teve o mesmo tempo que todos os anos anteriores, mas a nossa percepção foi diferente, de maneira que sentimos que passou voando, deixando uma grande responsabilidade para o ano novo.

A expectativa na área econômica era muito grande, todos estimavam uma retomada da economia e por isso a pressão sobre os negócios foi forte ao longo de todo o ano. Tivemos avanços na economia, o trabalho que o presidente Temer  fez, por exemplo a retomada da credibilidade do Banco Central a qual estava muito ruim, ajudou o Brasil a voltar a crescer. Cometemos muitos erros na área macroeconômica, mas conseguimos retomar nos últimos dois anos, de maneira que temos condições neste novo ciclo econômico de voltar a crescer.

Tivemos uma copa do mundo, o que sempre paralisa o país para torcer e torcer e as vezes sofrer com o time brasileiro, logo após veio uma greve de uma das principais categorias da logística, a qual já é demais de deficitária e dependente do modal rodoviário. Sem entrar no mérito do direito da greve, ela foi muito prejudicial para todos, inclusive para os caminhoneiros, mas de qualquer maneira, ajudou a fortalecer o candidato a presidência Jair Bolsonaro. Mais adiante tivemos a campanha política, o que fez novamente paralisar os negócios, o que assustou os grandes investidores, todos estavam aguardando os resultados das urnas.

Tudo isto para falar que agora sim temos alguns assuntos resolvidos e que o ano novo promete, e vamos apostar todas as fichas neste ano que se inicia. Claro que o desafio é muito grande, recentemente participei de uma palestra com a Jornalista Mara Luquet e ela mencionava que a cada 10 pessoas, 4 estão com problemas de crédito, e que a boa notícia que já via uma retomada de crédito, mas ainda muito lenta, e que a aposta é para 2019.

O novo presidente terá o desafio de baixar o nível de desemprego que atingiu os maiores índices de toda a história brasileira, um indicador que deu muito otimismo para o mercado foi a indicação do Juiz Sérgio Moro, porque isto dá uma clara orientação ao combate a corrupção, o que faz com que as grandes empresas voltem a ter uma intenção de investir no nosso país.

Nós do CIESP estamos brigando bastante com o BNDES para linhas de créditos para as pequenas e médias empresas, estas são responsáveis por 54,6 % dos empregos formais segundo o SEBRAE, de maneira que merecem toda a atenção e linhas de créditos realmente com taxas viáveis para seus negócios.

2019 se prepare para novos desafios e fortes emoções, o Brasil necessita urgentemente da reforma previdenciária e depois da tributária, com toda certeza não será fácil aprovar estas reformas.


Temos uma projeção dos economistas do CIESP / FIESP no boletim Focus de um crescimento de 2,5 % no PIB. Será um bom resultado depois de vários anos com resultado na casa de 1%. 
Caro ano novo, contamos com você.

Um forte abraço para o ano que se foi e seja bem-vindo 2019.

Que Deus nos abençoe.

Nivaldo J Silva, diretor do CIESP de Santa Bárbara d´Oeste,
diretor do e-Commerce www.LuGuicommerce.com.br
Blog: EmpreenderEsuperar.blogspot.com.br

quarta-feira, 31 de outubro de 2018

O eCommerce para empreender. Parte III



No primeiro artigo falei sobre a importância da venda online, no segundo os processos envolvidos nos negócios de ecommerce, como fornecedores, transportadoras, equipe, site e local de trabalho. Neste a ideia é falarmos sobre os eventos, palestras e conferências relacionadas a esta mudança de habito de compra do consumidor.

Alguns palestrantes falam que quando estamos sintonizados em algum assunto, nós entramos em uma bolha, e depois disso, tudo parece que está girando sobre este assunto e que todo mundo está falando sobre o tema que estamos envolvidos. O ecommerce é um deles, quando você começa a participar de um evento, descobre que terá outro congresso, e que deve seguir no Instagram o palestrante, que deve ler o livro específico do segmento, que deve seguir no Instagram algumas publicações. Em São Paulo todas as semanas são realizados eventos relacionados ao marketing digital, venda online ou sobre plataformas para ecommerce.


O ultimo evento que participamos foi realizado por 4 profissionais vendedores que podemos chamar de youtubers que só falam sobre vendas online. Vários seguidores deles pediram para realizar um curso falando das dificuldades do dia a dia, e com isso criaram o #profissaoecommerce, foram 2 dias de treinamento, palestras, network tudo voltado ao mundo digital. Participaram mais de 1.000 pessoas e várias empresas relacionadas ao mercado.



Ao longo dos dois dias tivemos várias palestras relacionadas a ecommerce, algumas falando mais de marketing e dicas que podemos aplicar nas redes sociais, como por exemplo registrar todos os eventos que participamos afim de mostrar que a empresa está atenta a novidades, algo muito simples e que pode dar um resultado para as pequenas empresas.

Seguem algumas fotos da palestra do Gilmar Theobald 











Outro tema que discutiram foi a financeira, onde mostraram que devemos tomar muito cuidado com as taxas e impostos que são descontados das vendas, em alguns casos a venda pode resultar em prejuízo. Algo básico como considerar o valor do frete na venda, analisar com cuidado todas as despesas diretas e indiretas envolvidas nas vendas.


Muito interessante uma frase que ouvimos na última palestra que assistimos:
“Não queira vender pela internet. Use a internet para vender” Alfredo Soares - Xtech, ele reforçou a necessidade de estarmos na internet oferecendo uma solução ao cliente, não vendendo de qualquer maneira, podendo utilizar os blogs escrevendo artigos complementares ao produto que está sendo vendido. Ele mencionou que algumas fabricantes estão utilizando as lojas físicas somente para que o consumidor tenha acesso e possa pegar na mão e sentir o produto, como é o caso das lojas da Samsung, muitas vezes o cliente chega e toca o produto, tira todas as dúvidas, mas depois compra online. E fechou a palestra falando. “fiquem atentos no seu mercado, com certeza ele está mudando”.


Nestes três artigos que escrevi, procurei mostrar a importância das lojas online e de todo marketing digital, não acreditamos que o online vá eliminar as lojas físicas, mas devemos estar prontos para a mudança, pois nossos hábitos já mudaram bastante, vejam o que aconteceu com as locadoras, e hoje assistimos no celular os vídeos do YouTube ou filmes e séries no Netflix.


nossa equipe participando do evento.

Com muito café, vamos #boravender !


A expectativa é boa para os próximos meses e maior em 2019, mas isto já é assunto para outro dia.


Fiquem com Deus e até mais.


Um abraço.

Nivaldo J Silva, diretor do CIESP de Santa Bárbara d´Oeste,
diretor do e-Commerce www.LuGuicommerce.com.br
Blog: EmpreenderEsuperar.blogspot.com.br/


segunda-feira, 17 de setembro de 2018

O eCommerce para empreender - parte II



Dando continuidade ao artigo anterior, o qual apresentei as vantagens de vender online, neste vamos detalhar um pouco os processos envolvidos em um negócio online.

Na última palestra que assisti, o pessoal da B2W reforçou que no Brasil 5% das vendas são realizadas no ecommerce, nos EUA são 12 % e 20% na China, isso mostra o potencial que existe no mercado.


O mais interessante, depois de algumas semanas em outro evento sobre ecommerce do Mercado Livre, olha só as mesmas informações. Vale a pena já pensar em 2019, segue o link mercadolivreexperience.com.br



Uma vez estabelecida a plataforma que será comercializado os produtos, é importante desenvolver ao mesmo tempo os seguintes pontos.

Fornecedores – é muito importante ter uma parceria boa com os fabricantes ou distribuidores que consigam atender de maneira rápida, em primeiro momento é ideal trabalhar com fornecedores os quais tenha contato, que já conheça o mercado. Quando o negócio estiver já desenvolvido, pode-se buscar outros fornecedores que não seja do ramo que tenha muito conhecimento. É válido utilizar o network para desenvolver estas parcerias, principalmente os que estiverem próximos da sua cidade, o que facilita a muito o dia a dia. Recomendo visitar feiras setoriais para conhecer novos fornecedores.

Transportadora e correios – o principal agente de transporte no Brasil é a empresa Correios, um contrato com uma agencia franqueada pode ajudar muito o seu negócio, no entanto, alguns produtos não são entregues por eles devido tamanho, peso ou outra especificação, sendo assim, as transportadoras são a solução para o envio das mercadorias vendidas. Temos na região de campinas as principais transportadoras, o que precisa se observar é se ela entrega em todo o Brasil ou apenas em alguma região, se possui código de rastreio, se ela disponibiliza cotação online, finalmente como é realizada a migração com plataformas de ecommerce, algumas ainda não possuem essa opção, o que dificulta muito o dia a dia.

Equipe – como toda empresa, o ecommerce necessita muito do fator humano, as pessoas que trabalham farão toda diferença para o sucesso do negócio. No início pode ser somente o próprio empreendedor, quando as vendas aumentarem será necessário uma equipe, com isso vem toda as exigências trabalhistas e de liderança. Na questão trabalhista o escritório contábil pode ajudar muito, já no âmbito de liderança é de extrema importância o próprio dono do negócio e passar o seu ritmo de trabalho para a equipe.

Site – o visual do site é a vitrine do ecommerce, o cliente utiliza das informações que estão ali contidas para tomar a decisão de compra ou não. Vários especialistas aconselham seguir alguns sites como referência para ter como exemplo a ser seguido na sua loja online. Aqui cabe a analise se terá o apoio de uma agencia de publicidade ou um profissional interno com experiencia nesta área.

Local de trabalho – ter um ecommerce necessita ter um espaço para trabalhar, no início pode ser na própria casa, ou em uma sala comercial de pequeno porte, muitos ecommerce necessitam ter em estoque os principais produtos que vendem, para isso é importante o armazenamento correto dos produtos, o que será difícil conseguir crescer se continuar home office.

Ainda temos muito a discutir sobre eCommerce, nos próximos artigos aprofundaremos outros temas relacionados a anúncios de produtos e aos marketplaces.

Fiquem com Deus e até mais.

Um abraço.
Nivaldo J Silva, diretor do CIESP de Santa Bárbara d´Oeste,
diretor do e-Commerce www.LuGuicommerce.com.br


terça-feira, 24 de julho de 2018

O eCommerce para empreender.



Quando pensamos em abrir um negócio, já imaginamos em abrir uma loja física ou montar uma indústria de um produto inovador. Em muitas situações o investimento é de valor alto e com grande risco e temos que encontrar uma outra ideia de negócio.

Uma boa opção é investir em venda online, existem muitas opções de vendas pela internet, vou apresentar algumas e deixar os links no blog para aprofundarem a busca do conhecimento.

A maneira inicial mais simples é vender produtos pelo Mercado Livre, é importante desenvolver uma parceria com algum fabricante ou distribuidor de um produto e vender oferecendo um valor que permita um lucro para sua empresa. Em várias palestras que assisti neste ano, a maioria absoluta ressalta que devemos trabalhar com o estoque do fabricante, pois, no começo não se sabe qual produto venderá mais ou menos.

Ao iniciar suas vendas no Mercado Livre, é interessante desenvolver um site próprio com o nome do seu negócio, com isso passa uma credibilidade maior para o cliente, divulgando uma foto com o logo da sua loja nas fotos dos produtos. Existem algumas opções no mercado com planos iniciais gratuitos. Um deles é a LojaIntegrada que oferece vários recursos no pacote free.

Os Marketplaces são locais onde você vende seu produto, paga uma taxa pela venda, mas o investimento inicial é zero, os principais são:
Mercado Livre
Magalu (magazine luiza)
Americanas.com (B2W)
Via Varejo
Amazon

O mercado mudou muito e os consumidores atuais vão até as lojas com seus celulares e consultam os preços dos produtos ali mesmo e podendo comprar online usando a internet da loja. Várias empresas já estão se preparando para esse novo comportamento do cliente e desenvolvendo a estrutura comercial para vender seus produtos em multicanais (ominichannel), que permite você comprar online e retirar na loja, devolver na loja se não gostar do produto, comprar na loja e entregar online, dentre várias opções. As grandes redes de magazines já estão preparadas para essa evolução das compras e da mudança de comportamento dos consumidores.

Para os pequenos negócios ainda é difícil, mas é importante ficar atento ao que está acontecendo no mercado e tentar aproveitar a oportunidade. Aconselho pesquisar na internet palestras sobre o tema, assistir as palestras do Vtex Day, no site, eles disponibilizam as palestras que debatem os temas mais importantes da venda online, que são: as plataformas; marketing digital; logística; meios de pagamento e fidelização dos clientes; a importância das redes sociais; assim como uma boa foto pode ajudar na venda. Não poderia deixar de citar a equipe da Xtech que são excelentes e com atendimento nota 10, a plataforma oferece muitas configurações o que ajuda muito o empreendedor que está iniciando sua loja.

O Brasil possui uma população muito grande sem acesso a internet, algo próximo dos 50% segundo o SEBRAE, o que mostra uma grande oportunidade, quando esse número diminuir teremos um grande percentual da população com acesso as compras online.

Ao pensar em abrir um negócio online, procure se capacitar sobre o mercado e uma boa dica é o site do SEBRAE que possui muito material e cursos online para o planejamento do seu negócio.

No próximo artigo aprofundaremos mais sobre os passos para se planejar e abrir um negócio online.
Fiquem com Deus e até mais.

Um abraço.

Nivaldo J Silva, diretor do CIESP de Santa Bárbara d´Oeste,
diretor do e-Commerce www.LuGuicommerce.com.br